O Equador aprovou recentemente uma lei que altera as penas para os micro traficantes de drogas. As penas agora serão mais severas, com punição de 3 a 5 anos de prisão (contra 6 meses da lei antiga).

Isso aponta contradições nas próprias decisões do governo, que anteriormente havia reduzido as penas para pequenos traficantes e agora aumenta a severidade das sanções. Com uma linha mais tênue entre o consumo e o tráfico, o paradigma de bater forte nos mais fracos, e mais fraco nos mais fortes que parecia superado, deve voltar.

O professor de Criminologia Crítica e Política Criminal da Universidade Andina Simón Bolívar, Jorge Vicente Paladines, analisou as recentes mudanças na lei equatoriana.

Registe-se para recever as Alertas mensais do IDPC e obter informação sobre questões relacionadas com as políticas de drogas.