Os níveis de morte por overdose de drogas aumentaram de forma constante nos EUA desde 1979. Em 2008, foi reportado um total de 36.450 mortes (i.e., involuntária, intencional [suicídio ou homicídio], ou intenção indeterminada) por overdose, sendo os analgésicos opiáceos de prescrição médica (p.e., oxicodona, hidrocodeína e metadona), a cocaína e a heroína as drogas mais comumente envolvidas. Desde meados dos anos 1990, os programas de base comunitária têm oferecido serviços de prevenção de overdose opiácea a pessoas que utilizam drogas, suas família e amigos, e a prestadores de serviços. Desde 1996 um crescente número destes programas têm fornecido o antagonista opiáceo cloridrato de naloxona, tratamento de eleição para reverter a depressão respiratória potencialmente fatal provocada pela overdose de heroína e outros opiáceos. A naloxona não tem qualquer efeito em overdoses não-opiáceas (p.e., cocaína, benzodiazepinas ou álcool).

Em Outubro de 2010, a Coligação de Redução de Riscos, uma organização nacional de advocacy e capacitação, analisou 50 programas conhecidos por distribuir naloxona nos Estados Unidos, no sentido de recolher dados sobre as localizações de programas locais, distribuição de naloxona e reversões de overdose. Este relatório sumariza as descobertas para os 48 programas que completaram a análise e os 188 programas locais representados nas respostas. Desde que o primeiro programa de prevenção de overdose opiácea iniciou em 1996, os programas inquiridos reportaram o treino e distribuição de naloxona a 53.032 pessoas e receberam relatos de 10.171 reversões de overdose.

Fornecer educação sobre a overdose opiácea e sobre a naloxona a pessoas que usam drogas e a pessoas que poderão estar presentes numa overdose opiácea pode ajudar a reduzir a mortalidade associada à overdose opiácea, uma preocupação de saúde pública em rápido crescimento.

Registe-se para recever as alertas mensais do IDPC e obter informação sobre questões relacionadas com as políticas de drogas.