No Brasil, vivenciamos um aumento exponencial de mulheres presas: entre os anos de 2000 e 2016, o aumento da população feminina encarcerada foi de 698%. O encarceramento no país, principalmente o feminino, está diretamente relacionado à política de drogas, isso porque 62% das mulheres estão presas em decorrência do tráfico. Diante desse cenário, o Programa Gênero e Drogas do ITTC se propõe analisar a intersecção das temáticas de gênero, justiça criminal e políticas de drogas.

Uma das atividades desenvolvidas pelo projeto consistiu em um levantamento de serviços e programas da rede federal, estadual e municipal que operam na prática a política de drogas e que sejam especificamente voltados para pessoas que fazem uso de substâncias psicoativas. A partir da pesquisa em portais oficiais dos governos, foram mapeados serviços e programas que incidem em três cidades brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro e Salvador.

No levantamento, não foram incluídos serviços ou programas que integram a rede, mas não incidem diretamente e de forma específica no tema das drogas, por exemplo, centros de acolhida e tendas para a população de rua. Os serviços e programas selecionados tratam do tema das drogas em suas diretrizes e foram encontrados a partir da busca com a palavra “droga” nos sites oficiais.