Com base na experiência do Projeto Estrangeiras, iniciamos aqui um breve retrato das violências e opressões de gênero vividas pelas mulheres em conflito com a lei. Será possível observar que algumas considerações talvez atinjam as estrangeiras de forma singular, como por exemplo, o estranhamento que há na maioria dos casos com a língua portuguesa e as particularidades do exercício da maternidade pelas estrangeiras que estão presas.

“Bem, na verdade, estar dentro de uma penitenciária com seu bebê é a pior coisa que pode existir. Um berçário como este nunca tem uma enfermeira para socorrer os bebês. Vivemos cada dia pensando no dia em que teremos que entregar nossos filhos. Todos os dias choro e rogo ao Senhor que me dê a minha liberdade para não ter que passar pela imensa dor de entregar meu bebê e para que ele não fique doente, porque estando aqui sem ajuda médica, qualquer desgraça pode ocorrer.”

A protagonista da frase anterior é Maria, uma mulher e mãe boliviana presa com seu filho de cinco meses. Há diferentes narrativas de violência para as mães em privação de liberdade: mulheres que passaram sua gravidez dentro da prisão, mulheres que estão reclusas juntamente a seus filhos/as, mulheres que foram presas em flagrante com crianças de colo e mulheres que estão presas no Brasil, enquanto suas famílias permanecem em seus países maternos.

Na maioria dos casos, elas são mães solteiras e as únicas ou principais provedoras de seus lares. Vivem sérias dificuldades financeiras em seus países, geralmente ligadas a dívidas, doenças, necessidade de tratamento médico, desemprego e conflitos locais.

Essa conjuntura social e econômica, assim como a falta de alternativas para enfrentar estas situações, impulsionam essas mulheres à submissão diante determinados tipos de trabalho, os quais por vezes são criminalizados, como é o caso do transporte de drogas, responsável pelo aprisionamento de cerca de 90% das mulheres estrangeiras em privação de liberdade na cidade de São Paulo, acusadas de tráfico internacional de drogas.

Leia o artigo completo.

Registe-se para recever as Alertas mensais do IDPC e obter informação sobre questões relacionadas com as políticas de drogas.