(Redação Época)

A Organização das Nações Unidas (ONU) vai, ou não, estimular países a descriminalizar as drogas? A pergunta tem porquê. Richard Branson, bilionário que fundou o grupo Virgin, vazou nesta segunda-feira (19) documento em que o Escritório de Drogas e Crime (UNODC, na sigla em inglês) da entidade se posiciona em favor de tratar o uso das drogas como uma questão de saúde, e não mais criminal. A ONU rebateu, horas depois, que o documento não é "nem final, nem formal", e que portanto não pode ser visto como uma posição oficial dela para o assunto, mas não o desmentiu.

Branson explicou, em texto publicado no site de sua companhia, que publicou o documento sem autorização da ONU – ele havia sido distribuído a alguns veículos da imprensa, como a emissora britânica BBC, segundo o empresário, mas estava embargado e só poderia ser publicado depois da permissão do órgão – pois temia que a pressão de alguns países fizessem a entidade recuar. "Enquanto estou escrevendo isso ouço que pelo menos um governo está pondo uma pressão excessiva sobre o UNODC", disse. A ONU "negou enfaticamente" que viesse sofrendo pressão.

Leia o artigo completo.

Registe-se para recever as Alertas mensais do IDPC e obter informação sobre questões relacionadas com as políticas de drogas.