Pessoas dependentes de analgésicos prescritos reduzem o abuso de opiáceos quando lhes é dado tratamento sustentado com medicação de buprenorfina mais naloxona (Suboxone), de acordo com a pesquisa publicada no Arquivo de Psiquiatria Geral de ontem, conduzida pelo Instituto Nacional de Abuso de Drogas (NIDA), parte do Instituto Nacional de Saúde. O estudo, que constituiu o primeiro ensaio clínico aleatório em grande escala do uso de medicação para o tratamento do abuso de opiáceos prescritos, também demonstrou que o aconselhamento intensivo da dependência opiácea não adiciona benefícios.

“O estudo sugere que os pacientes adictos aos analgésicos opiáceos prescritos pode ser eficazmente tratados em contextos de cuidado primário usando Suboxone”, afirma a Directora da NIDA, Dra. Nora D. Volkow. “Contudo, uma vez descontinuada a medicação, os pacientes têm uma grande probabilidade de recaída – assim, é necessária mais pesquisa para determinar como manter a recuperação em pacientes adictos a medicações opiáceas.”
As medicações para a dor são benéficas quando usadas conforme o prescrito, mas têm uma tendência significativa para o abuso, especialmente quando tomadas por razões não-médicas. Este estudo examina se a medicação aprovada pela FDA – Suboxone – pode ajudar a combater este problema crescente. O Suboxone é uma combinação de buprenorfina para reduzir o craving opiáceo com naloxona, que provoca sintomas de abstinência se um adicto de opiáceos toma o Suboxone por alguma via que não a oral, como é prescrito. Esta combinação foi especialmente concebida para prevenir o abuso e alteração da buprenorfina e foi uma das primeiras elegíveis para prescrição sob a Lei de Tratamento da dependência de Drogas, que permite que médicos especialmente treinados prescrevam certas medicações aprovadas pela FDA para o tratamento da adicção opiácea.

A maioria dos estudos que examinam os tratamentos de dependência de opiáceos têm sido feitos com pacientes dependentes de heroína em clínicas de metadona, tendo havido por isso poucos dados no tratamento de pacientes adictos a analgésicos prescritos, especialmente nos gabinetes de médicos de cuidados primários. Para ajudar a responder a esta questão, a Rede de Ensaios Clínicos da NIDA lançou o Estudo de Adicção de Tratamento Opiáceo (POATS) em 2007, que foi conduzido em 10 locais de tratamento no país.
“Apesar do grande aumento na prevalência da dependência dos analgésicos prescritos, pouca pesquisa tem sido feita nesta população de pacientes”, diz o Dr. Roger Weiss da Faculdade de Medicina de Harvard, Boston, e o autor principal deste estudo. “Este é o primeiro estudo a larga escala que examina os tratamentos exclusivamente  para pessoas que estava a abusar da medicação analgésica prescrita e foram tratados com buprenorfina-naloxona, que pode ser prescrita num gabinete médico”.

Neste estudo, mais de 600 pacientes à procura de tratamento ambulatório dependentes de opiáceos prescritos receberam Suboxone em combinação com breve gestão médica estandardizada, na qual os médicos avaliaram a eficácia do tratamento e recomendaram a abstinência e participação em grupos de auto-ajuda. Metade dos participantes também receberam diferentes intensidades de aconselhamento sobre dependência como o fornecido por formados em dependência de substâncias ou profissionais de saúde mental.
Os resultados mostram que aproximadamente 49% dos participantes reduziram o abusos dos analgésicos prescritos durante o longo (no mínimo 12 semanas) tratamento de Suboxone. Este nível de sucesso desce para 8,6% quando o Suboxone é descontinuado. As reduções no abuso de analgésicos prescritos eram percebidos quer o paciente tivesse dor crónica ou não, e os participantes que receberam aconselhamento intensivo não mostraram melhores resultados quando comparados com  os que não receberam este apoio adicional.
De acordo com Os Serviços Administrativos do Abuso de Substâncias e Saúde Mental o Inquérito Nacional de Uso de Drogas e Saúde estimou que 1.9 milhões de pessoas nos EUA se enquadram nos critérios de abuso ou dependência de analgésicos. Para além disto, o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças reporta anualmente mais mortes por overdose de analgésicos do que de heroína e cocaína combinadas.

Para mais informações em fontes científicas para ajudar médicos no tratamento de pacientes a lidar com uso e dependência de drogas clique aqui. Para mais informações sobre a rede de Ensaios Clínicos da NIDA clique aqui.

Mantenha-se a par dos desenvolvimentos das políticas das drogas subscrevendo o Alerta Mensal do IDPC.