Todas as atividades devem ser realizadas em total conformidade com as leis internacionais de direitos humanos.

Os abusos aos direitos humanos proliferaram sob os auspícios da atual política de drogas. Governos e autoridades de aplicação de leis algumas vezes prestaram muito pouca atenção a direitos e liberdades fundamentais em seu afã de conceber e implementar suas políticas nacionais de controle de drogas, apesar de suas obrigações sob os tratados da ONU de respeitar, proteger e cumprir com os direitos humanos.
O IDPC promove uma mudança de paradigma onde a lei internacional de direitos humanos seja o núcleo do enquadramento legal da política de drogas. Este novo enquadramento focará em:
  • Saúde pública: melhorar o acesso a medicamentos essenciais e desenvolver programas de tratamento e assistência, prevenção e redução de danos;
  • Desenvolvimento: focar as estratégias de drogas em desenvolvimento alternativo, redução de pobreza e desenvolvimento social e econômico de comunidades marginalizadas.
  • Segurança humana: focar os esforços de cumprimento de leis nos grandes responsáveis por controlar e expandir o mercado de drogas, em vez de nos traficantes de baixo escalão e que não oferecem perigo, usuários e  comunidades agrícolas vulneráveis.